twilight-fan @ 16:52

Sex, 21/10/11

http://twilight-fan.fanfusion.org/gallery/albums/userpics/10001/normal_gq5.jpg

No Crepúsculo ele é um (raro) exemplo de um lobisomem, com uma tartaruga (na sua barriga). E ele tem grandes capacidades de sedução tanto no set como na vida real. Mas cuidado: os fãs vão vê-lo transformado em breve. Os fãs estão avisados.Eu observo-o enquanto ele fala sobre a importância de trabalhar arduamente para ter sucesso, sobre como a sua ética profissional e o seu passado como amante de desporto o ajudou em Hollywood. E a sua voz monótona leva-me para longe dali. Depois acordo e penso nas fãs que iriam enlouquecer só de pensarem em estar perto do Taylor Lautner, Jacob Black, o lobisomem do Crepúsculo. Podem vê-lo nos cinemas no dia 17 de Novembro na primeira parte de Amanhecer, o último episódio da Saga.Bonito, atlético, rico e famoso, mas um bocadinho secante e muito sério, que vem de forma natural para responder de forma educada às perguntas e a sua bondade como profissional nas entrevistas, com um bocadinho de sarcasmo. 

Há seis anos atrás tu eras apenas um miúdo e eu entrevistei-te sobre “The Adventures of Sharkboy do Robert Rodriguez.

Isso é estranho. O que é que eu te disse?

Nada de que te envergonhes. Mas eu lembro-me de achar que tinha à minha frente, alguém que iria longe.

Já viste até onde eu fui? De Sharkboy a Wolfboy: que grande carreira.

Não és um wolfboy comum, mas um dos mais importantes da década.

Verdade. Mas eu sempre me concentrei naquilo que conseguia controlar, trabalhar, trabalhar, trabalhar. Eu fiz muitos desportos e aprendi que se não trabalharmos bem não recebemos nada. Especialmente neste ramo, em Hollywood, onde a competição é de loucos. Mas também precisamos de um pouco de sorte.

O que é que tu achas dos reality shows? Não podes fazer nada, não fazes nada e ainda tens sucesso.

Eu não sei. Algumas pessoas são muito sortudas e não têm de trabalhar para ter sucesso. Mas eu estou contente com as escolhas que fiz.

Um amigo meu, sabia que eu te ia entrevistar e estava a gozar com a minha aparência, e então pediu-me para te perguntar qual é o segredo dos teus abdominais. Tu pintas os abdominais como os gladiadores, não é?

Isso era o que tu querias! É tudo meu, e trabalhei muito para isto. Eu sempre pratiquei desporto e eu gosto de transpirar e de trabalhar a sério. Não me chateia. De qualquer forma, muito exercício físico e comida saudável são as coisas mais importantes para estar em boa forma.

Eu vou pensar nisso. Tens namorada?

Eu poderia ter.

Com esses abdominais, claro que sim. E como é que cuidas das tuas relações? Tu és rico e famoso.

Sim, não é fácil. O tempo é a coisa mais importante numa relação, precisamos de tempo para perceber com quem é que estamos. Eu sou mais cuidadoso do que as pessoas da minha idade e faço as coisas com mais calma, incluindo deixar-me levar.

Amanhecer é o último episódio da Saga Crepúsculo: o wolfboy vai ficar com a Bella?

Não. Esse foi sempre o seu objectivo, mas no fim ele percebe que isso não estava destinado a acontecer e que nunca vão ficar juntos. Ele não vai reagir bem, mas isso vai ajuda-lo a crescer e vamos vê-lo como ele nunca tinha foi. Vai haver uma evolução muito importante neste personagem.

Tens algo em comum com ele?

Tal como ele, eu não desisto facilmente.

Muitas raparigas já te disseram ‘NÃO’?

Não no mundo do Crepúsculo, onde toda a gente me adora só porque eu entro no Crepúsculo. Mas na vida real, aí fora, é uma história completamente diferente.

Serias um fã da Saga, se não fosses um dos personagens principais?

Se alguém me tivesse sugerido ler os livros, sim eu ter-me-ia tornado um fã. Eu não leio muito, e quando o faço sou muito selectivo. Mas se tivesse começado, tenho a certeza de que teria ficado viciado.

Agora que o Crepúsculo acabou toda a gente te quer. Eras capaz de ganhar peso para um papel?

Sim, e perder peso também. Eu estou preparado se o papel pedir.

Em que aspectos é que mudas-te por causa da Saga? Tu cresceste a fazer este papel.

Pessoalmente, espero não ter mudado nada. Mas não me cabe a mim decidir. Profissionalmente, confirmei que se trabalharmos arduamente teremos sucesso.

E pessoalmente, o que é que recebes-te?

Muitos amigos, que são das coisas mais importantes. As relações são importantes na minha vida. Eu tornei-me muito próximo das minhas co-estrelas, e espero que as nossas amizades durem para sempre.

Tu disseste que matarias para ter a carreira do Matt Damon ou do Tom Cruise. Tu és parecido com eles.

A sério? Fico contente por ouvir isso. Mas eu não mataria, estava a brincar, eu só gostava de ser tão esperto como eles têm sido, a trabalhar arduamente. Eles tomaram as decisões correctas, o que eu estou a tentar fazer. Por exemplo, eu fiz o Abduction, e foi comparado ao The Bourne do Matt Damon. Eu espero que esteja, estou muito orgulhoso do filme.

Já viste o “Vampire Sucks”? A paródia do teu filme?

Eu estava num avião, vi metade e depois desliguei.

Era muito para ti? Não te riste?

Quando temos este trabalho não nos podemos levar muito a sério. Se fazem piadas connosco, só temos de sorrir. Algumas cenas do filme fizeram-me rir. Aliás, eu estou habituado, apenas temos de ler o que escrevem na internet e nas revistas. Só tenho de ignorar.

Tu usas a internet?

Só por causa dos fãs.

O que é que queres dizer com isso?

Eu fiz uma página no Facebook porque já havia muitas falsas, que gozavam com os meus fãs, que pensavam que estavam a falar comigo. E eu não queria que eles falassem com alguém, que se fizesse passar por mim. Eu pensei que isso era um bocado triste. Por isso criei a página, um lugar para eles, onde actualizo e comunico com eles.

Muitas estrelas com quem já trabalhaste estão em causas sociais: e tu?

Sim. É importante ajudar as pessoas, e eu colaboro com muitas associações. Tal como o Lollipop Kids Foundation, que organiza exibições de cinema para as crianças em hospitais. E nós participamos também.

Esse é um dos aspectos positivos de ser famosos. E os aspectos negativos? Tal como as tuas co-estrelas, tens de te disfarçar para sair à rua e não ser reconhecido?

Sim, mas não resulta. Eu olho-me ao espelho e nem me consigo reconhecer a mim mesmo. E depois saio à rua e nada mudou. Eu preciso de algo mais drástico: tipo um nariz falso ou uma peruca.